sexta-feira, 5 de agosto de 2005
Mais sobre armamentos nucleares:
Faço essa postagem especialmente para meus alunos do 1º ano do ensino médio. No primeiro bimestre, debatemos bastante sobre armas de destruição em massa e Geopolítica. Na oportunidade não pudemos aprofundar o assunto. Notei a curiosidade sobre o tema.
Coloco aqui um pouco mais, além do que já entreguei por escrito. Como está fazendo 60 anos que foram lançadas as bombas em Hiroshima e Nagazaki, a mídia está vinculando muitas informações sobre o assunto. A presente postagem foi retirada do site da National Geographic – Brasil (http://nationalgeographic.abril.com.br/ngbonline/index.shtml). O acesso foi feito em: 05/08/2005, às 21 horas e 40 minutos.
Boa leitura, alunos!

(O que segue, agora é uma reportagem com Richard Rodes, escritor e especialista sobre o assunto. A fonte é mesma citada acima) "Já faz mais de 30 anos que escrevo a respeito de questões nucleares. Escrevi dois livros (a respeito do desenvolvimento da bomba atômica e da hidrogênio) e várias dúzias de artigos de revista, além de mais de cem palestras públicas. No começo, fui ingênuo de achar que estava contando a história de uma tecnologia: a descoberta de como produzir energia nuclear e sua aplicação na confecção de armas de guerra. Mas, quanto mais eu estudo o assunto, mais fundamental esta descoberta me parece. Teve conseqüências militares e científicas, mas teve e tem também conseqüências humanas e políticas que persistem. Para resumir: quando descobriu como liberar energia nuclear, a humanidade adquiriu um novo conhecimento a respeito do mundo natural. Anteriormente, a energia era cara e gravemente limitada, mas a energia nuclear é comparativamente barata e efetivamente ilimitada. Quando aplicamos este conhecimento, ficamos surpresos ao descobrir que uma guerra em larga escala que dependesse de energia nuclear – de bombas atômicas e de hidrogênio – já não era mais possível porque todos os envolvidos seriam dizimados pela destruição generalizada. O resultado, paradoxalmente, foi que a enorme e crescente onda de morte causada pelo homem da primeira metade do século 20, foi abruptamente interrompida em 1945. Foi controlada. Enquanto os arsenais persistirem, a destruição total ainda é possível. A Guerra Mundial não é."
"Explorar o assunto das armas nucleares tem sido difícil e às vezes triste. Ao mesmo tempo, fez com que eu travasse contatos muito recompensadores com uma ampla comunidade de especialistas e vítimas. Na reportagem que escrevi em 1986, The Making of the Atomic Bomb (A Confecção da Bomba Atômica) – que me custou cinco anos de pesquisa e redação – quebrei a cabeça para descrever da maneira mais objetiva possível o trabalho do projeto secreto Manhattan que produziu as primeiras bombas atômicas durante a Segunda Guerra Mundial, as razões por trás do uso das bombas atômicas como armas e as conseqüências experimentadas pelos moradores de Hiroshima e Nagasaki. Na época, uma das minhas melhores e mais sombrias experiências foi ter sido convidado, em agosto de 1995, para as cerimônias que marcaram o 50º aniversário dos bombardeios atômicos, não só para falar aos veteranos e pioneiros do Laboratório Nacional de Los Alamos (EUA), onde as bombas foram projetadas e montadas, mas também para participar da 50ª cerimônia memorial em Hiroshima. Se ambos os grupos acharam que eu contei a minha história de maneira aceitável, então eu tinha alcançado a meta que colocara para mim mesmo."
"Escrever “O Fantasma da Bomba” foi para mim uma revelação a respeito de como a Guerra Fria transformou a situação internacional no que diz respeito às armas nucleares. Por mais sensível e potencialmente apocalíptica que o confronto nuclear da época entre os Estados Unidos e a União Soviética tenha sido, sua estabilidade foi permanente. A boa notícia é que dezenas de milhares de armas nucleares foram desmontadas, fazendo com que classes inteiras de armamentos fossem eliminadas de arsenais nacionais. A má notícia é que uma segunda corrida armamentista, menor, teve início no Oriente Médio e no Oriente, com conseqüências todavia desconhecidas. Minha pauta para a National Geographic revelou-se um modo recompensador de atualizar a minha compreensão das ameaças internacionais das armas nucleares."


Foto de Bettmann/CORBIS
"No dia 25 de julho de 1946, a primeira detonação submersa de uma bomba atômica criou uma nuvem de vapor com mais de 1,5 quilômetro de altura, coroada por jatos de água ascendentes. Na sua base, a onde de choque que se expande a partir da explosão, vista como um anel esbranquiçado, engole uma frota de embarcações navais não-tripuladas.Como parte da Operação Encruzilhada – uma série de testes nucleares conduzidos pelas forças militares norte-americanas nas Ilhas Marshall, do oceano Pacífico – esta foi apenas a quinta explosão de uma arma atômica. Aconteceu quase um ano depois de bombas atômicas terem destruído as cidades de Hiroshima e Nagasaki no Japão, colocando fim à Segunda Guerra Mundial."

"Protegidos apenas por visores escuros, convidados das forças armadas dos EUA se acomodam em 1951 para presenciar uma explosão nuclear no Atol de Enewetak, no oceano Pacífico. O teste fazia parte da Operação Estufa, cujas explosões resultaram na queda de uma quantidade significante de material radioativo, representando risco à saúde dos espectadores e do pessoal de teste. Estima-se que cerca de 11 mil pessoas tenham morrido só nos EUA devido a resquícios de testes nucleares, segundo um estudo governamental do Centro de Controle e Prevenção a Doenças. O estudo relatou que 'qualquer pessoa que morre na porção continental dos EUA desde 1951 foi exposta a resquícios radioativos'".
"A detonação da primeira bomba de hidrogênio agitou o céu no dia 1º de novembro de 1952, sobre o atol de Eneweta, no oceano Pacífico. A explosão-teste dos EUA, de codinome Mike Venenoso, acabou com a vegetação de ilhas próximas, fez uma cratera de mais de 1,5 quilômetro de diâmetro e lançou pedaços de coral atingido a mais de 50 quilômetros de distancia do ponto de explosão. Uma única bomba de hidrogênio poderia destruir o centro de qualquer cidade grande com sua onda de calor que derrubaria prédios, dissiparia radiação gama letal e causaria incêndios generalizados que matariam centenas de pessoas."
"Soldados do Exército dos EUA mostram uma das menores armas nucleares já disponibilizada: o projétil Davy Crockett. Esta ogiva tática, lançada de um rifle sem rebote, carrega força de explosão de até um quiloton, o equivalente a milhares de toneladas de TNT. Apesar de soldados norte-americanos terem usado o Davy Crockett na Europa, entre 1961 e 1971, durante a Guerra Fria contra a União Soviética, a bomba nunca foi usada em combate. No entanto, fez uma ponta explosiva em um filme de 1962, King Kong vs. Godzilla."
"A descoberta da fissão – a divisão do núcleo de um átomo – talvez tenha sido o principal avanço científico que contribuiu para a produção da bomba atômica. Os pesquisadores alemães Otto Hahn e Fritz Strassmann normalmente são reconhecidos como os co-descobridores da fissão atômica – Hahn recebeu o Prêmio Nobel de química em 194 por causa disso. Mas existe uma colaboradora próxima e fundamental dos dois homens que quase sempre passa despercebida. O nome dela era Lise Meitner.

Lise Meitner, pesquisadora nascida na Áustria, tinha trabalhado durante décadas com Hahn, na Alemanha, em experimentos com radiação química. Mas, em julho de 1938, com a tomada do poder pelos nazistas, Meitner, que era judia, fugiu do país. Hahn e Strassman deram continuidade aos experimentos da equipe. Posteriormente, naquele mesmo ano, depois de bombardear urânio com nêutrons, descobriram o bário. Os resultados foram enviados para Meitner, que estava na Suécia.

Meitner, juntamente com seu sobrinho, Otto Frisch, foi capaz de interpretar e explicar a importância dos resultados obtidos pelos dois cientistas – e ela batizou o processo de fissão nuclear. Publicou a primeira tese fornecendo explicação teórica sobre o que tinha sido descoberto, explicando que os átomos podiam ser divididos, subseqüentemente liberando enormes quantidades de energia. Essa liberação energética se tornaria realidade na forma das bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945. Meitner, no entanto, recusou-se a trabalhar nas iniciativas dos Aliados para produzir a Bomba Atômica durante a guerra, ciente de suas conseqüências potencialmente devastadoras.

A cientista ignorada foi parcialmente vingada em 1966, quando Meitner, Hahn e Strassman receberam juntos o Prêmio Enrico Fermi por suas contribuições científicas." (Christy Ullrich)
posted byDonarte N. dos Santos Jr.@sexta-feira, agosto 05, 2005  
0 Comments:
Postar um comentário
<< Home
 
::::::::::::::::::::::::::::::::
Algumas ideias que batizaram e permeiam o presente ciberespaço; pensamentos mais ou menos fixos que o autor tem:
::::::::::::::::::::::::::::::::

A Mitologia Grega...:

- “A Argo: Nave dos Argonautas, construída sob a direção de Minerva, nos bosques de Dodona. O termo significa ‘rápido.’

O Fernando Pessoa...:

- o seguinte poema do escritor português:


Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso". Quero para mim o espírito [d]esta frase, transformada a forma para a casar como eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo. Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha. Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade. É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça. (Fernando Pessoa)



A antipatia a Nietzsche...:

- Parece poder ser possível usar o Nietzsche contra ele mesmo: "Nietzsche vs Nietzsche", pois o que ele escreve, se bem analisado, é contraditório (no mal sentido do termo). Assim, isso é bem possível de ser feito...

A contra-argumentação aos céticos...:

- “Só se poderia negar a validez à demonstração se se provasse, com absoluta validez, que o homem nada pode provar com absoluta validez” (SANTOS, Mário Ferreira dos. Filosofia Concreta. São Paulo: É Realizações, 2009, p. 61).

 

 

Bem Vindo(a)!!!

Sobre este Blog

Última Publicação



Blog/Site do prof. Donarte: textos, imagens, ideias, pensamentos, conceitos, definições e opiniões preferencialmente inéditos, de autoria do professor, na área da Geografia, Filosofia, Educação e Ciências.


O conteúdo do presente ciberespaço pode ser livremente reproduzido, observada a citação da fonte. Ver "©Copyright – Todos os direitos Reservados", logo abaixo:

Site

Visite o site do professor
O que o professor lê?

Últimas leituras
Conteúdos Específicos

Textos sobre Geografia física.

Textos sobre Geografia humana.

Dicas sobre o Vestibular.
Notas de Aula

Registro da Prática e Diário de Classe
Blogs dos Estudantes da Escola Porto Novo (2015 até hoje)

Blog dos alunos do projeto LIAU.

Blogs dos Estudantes do Colégio Marista Assunção (2010)

Blog dos alunos do 2º ano (221).

Blog dos alunos do 2º ano (221).
Blogs dos Estudantes do Colégio Marista Assunção (2008/2009)

Blog dos alunos do 5ª série (152).

Blog dos alunos do 8ª série (181).

Blog dos alunos do 8ª série (182).

Blog dos alunos do 1º Ano (211).

Blog dos alunos do 1º Ano (212).

Blog dos alunos do 2º Ano (221).

Blog dos alunos do 3º Ano (231).
Blogs dos Estudantes da Escola Maria Goretti (2006)

Blog dos alunos do1º Ano.

Blog dos alunos do2º Ano.

Blog dos alunos do3º Ano.
Blogs dos Estudantes da Escola Maria Goretti (2005)

Blog dos alunos do3º Ano.
Blogs e Sites que acompanho, verdadeiros mananciais

  • Prof. Dr. phil. Agemir Bavaresco (Revista Opinião Filosófica)


  • Prof. Dr. phil. Eduardo Luft.


  • Prof. Dr. phil. Nythamar Hilario Fernandes de Oliveira Junior.


  • Prof. Pedro Demo (blog novo)


  • Prof. Dr. phil. Ricardo Timm de Souza.


  • Prof. Dr. Rualdo Menegat.


  • Links

  • Água Bio
  • Água on-line
  • Águas, Brasil das
  • ANA
  • Água, Universidade da (2:o.k.)
  • Astronomia (Zênite)
  • BBC-Brasil
  • Canal Ciência
  • CAPES
  • Chaos Nonlinear Dynamics
  • Chaos on the Web
  • Defesa Civil RS 199
  • Edge-The Third Culture
  • EFE-Agência de Notícias (Brasil)
  • Embrapa
  • Expedição Trópico de Capricórnio
  • Fractal Geometry
  • Fepam
  • IBGE
  • Meio Ambiente on line
  • Ministério do Meio Ambiente
  • Museu de Ciências e Tecnologia-MCT
  • Observatório Nacional-ON
  • Organização dos Estados Americanos (OAS)
  • Programa Antártico Brasileiro-PROANTAR
  • Rep. Fed. do Brasil (oficial)
  • Revista Galileu
  • Scientific American-Brasil
  • Scientific Eletronic Library Online (SciELO)
  • Subaru Telescope
  • The Independent
  • Universidade da California (Condensed Matter Physics)
  • Textos Recentes

    Textos Antigos

    O Autor

    Nome:
    Donarte N. dos Santos Junior
    Residente em:
    Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
    Formação:
    - É Licenciado em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
    - É Especialista no Ensino de Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
    - É Mestre em Educação em Ciências e Matemática (PUCRS).
    - É Mestrando em Filosofia (PUCRS).
    Atuação Profissional:
    - Foi Técnico em Geoproce ssamento do L/li/liaboratório de Tratamento de Imagem e Geoprocessamento (LTIG) da PUCRS.
    - É Professor da Prefeitura Municipal de Porto ALegre.
    Título da primeira dissertação de mestrado:
    “Geografia do espaço percebido: uma educação subjetiva”, que alcançou grau máximo obtendo nota 10,0.

    Clique aqui para ler a dissertação

    Clique aqui para Ver currículo Lattes completo

    Mais sobre o autor
    O Autor no Facebook

    Curta a "Fan Page" do autor!!!

    O Autor no Twitter

    Siga o autor no Twitter!!!
    "E-Mail"

    Entre em contato com o autor
    Livro de Visitas

    Registre a sua visita neste blog :-)
    Número de Visitantes

    Free Blogger Templates

    BLOGGER

    © Copyright

    Todos os direitos Reservados.



    Os textos inéditos aqui publicados podem ser utilizados por qualquer pessoa, desde que respeitada a devida citação da fonte, apontando o link da postagem original de onde foram retiradas as informações.


    É proibido fazer modificação e alteração dos textos inéditos, bem como, das imagens inéditas e demonstrativas que os acompanham.


    É vedada a Criação de Obras Derivadas dos textos inéditos aqui publicados, bem como, das imagens inéditas, a não ser respeitando a devida citação da fonte, apontando o link da postagem original de onde foram retiradas as informações.


    Portanto, a reprodução integral ou parcial das produções textuais e imagéticas inéditas, próprias e de autoria do professor, aqui publicados, é permitida, com a expressa autorização do autor e nos termos acima citados, caso contrário será tipificado crime de Plagio.

    Free Blogger Templates

    BLOGGER

    Última atualização de "template", em:

    27 de fev., 2018.