sexta-feira, 30 de dezembro de 2005
O que diz Pierre Lévy sobre o Silicon Valley
3. SOBRE A TÉCNICA ENQUANTO HIPERTEXTO O COMPUTADOR PESSOAL

Desordem e Caos: Silicon Valley
Pierre Lévy, Filosofo e escritor francês.
"o problema do Brasil não é a falta de computadores, mas o analfabetismo" (LÉVY, Pierre)


Na metade da década de setenta, uma pitoresca comunidade de jovens californianos à margem do sistema inventou o computador pessoal. Os membros mais ativos desse grupo tinham o projeto mais ou menos definido de instituir nova bases para a informática e, ao mesmo tempo, revolucionar a sociedade. De uma certa forma, este objetivo foi atingido.
Silicon Valley, mais que um cenário, era um verdadeiro meio ativo, um caldo primitivos de instituições científicas e universitárias, indústrias eletrônicas, todos os tipos de movimentos hippies e de contestação faziam confluir idéias, paixões e objetos que iriam fazer com que o conjunto entrasse me ebulição e reagisse.
Aspecto de Stanford, universidade "berço" do Silicon Vaslley
No início dos anos setenta, em poucos lugares do mundo havia tamanha abundância e variedade de componentes eletrônicos quanto no pequeno circulo radiante, medindo algumas dezenas de quilômetros, ao redor da universidade de Stanford. Lá podiam se encontrados artefatos informáticos aos milhares: grandes computadores, jogos de vídeo, circuitos, componentes, refugos de diversas origens e calibres... E estes elementos formavam outros tantos membros dispersos, experiências desordenadas de alguma cosmogonia primitiva.
No território do Silicon Valley, nesta época, encontravam-se implantadas, entre outras, a NASA, Hewlett – Packard, Atari e Intel. Todas as escolas da região ofereciam cursos de eletrônica. Exércitos de engenheiros voluntários, empregados nas empresas locais, passavam seus fins de semana ajudando os jovens fanáticos por eletrônica que faziam bricolagem[1] nas famosas garagens das casas californianas.
Steve Jobs e Steve Wozniac
Vamos seguir, como exemplo, dois destes jovens, Steve Jobs e Steve Wozniac, enquanto eles realizavam sua primeira máquina, a blue box, uma espécie de auxílio à pirataria, um pequeno dispositivos digital para telefonar sem pagar. Ambos cresceram em um mundo de silício e de circuitos. Evoluíram em uma reserva ecológica, indissoluvelmente material e cognitiva, excepcionalmente favorável à bricolagem high tech. Tudo estava ao alcance de suas mãos. Poderíamos encontra-los em apartamento de São Francisco, ouvindo as explicações de um pirata telefônico em contato (gratuito) com o Vaticano. Ou então pesquisando em revistas de eletrônica, tomando notas de idéias, levantando bibliografias. Continuavam suas pesquisas na biblioteca de Stanford. Faziam compras nas lojas de sobras de componentes eletrônicos. Graças a um amigo pertencente a Berkeley, desviaram os computadores da universidade para efetuar os múltiplos cálculos para seus circuitos. Finalmente, algumas dezenas de exemplares da blue Box foram construídas e os dois Steve ganharam algum dinheiro, antes de perceber que a Máfia estava ficado interessada no assunto e abandonar o jogo.
A Blue Box, desenvolvida por Steve Jobs e Steve Wozniac
Milhares de jovens divertiam-se dessa forma, fabricando rádios, amplificadores de alta fidelidade e, cada vez mais, dispositivos de telecomunicação e de cálculo eletrônico. O nec plus ultra era construir seu próprio computador a partir de circuitos de segunda mão. As máquinas em questão não tinham nem teclado, nem tela, sua capacidade de memória era ínfima e, antes do lançamento da Basic 1975 por dois outros adolescentes, Bill Gates e Paul Allen, elas também linguagem de programação. Estes computadores não serviam para quase nada, todo o prazer estava em construí-los.
O campus de Berkeley não ficava muito longe; a paixão pela bricolagem eletrônica se misturava então a idéias sobre o desvio da lata tecnologia em proveito da ‘contracultura’ e a slogans tais como Computers for the peaple (computadores ‘para o povo’ ou ‘ao serviço das pessoas’). Entre todos os grupo da nebulosa underground que trabalhavam para a reapropriação das tecnologias de ponta, o Homebrew Computer Club, do qual Jobs e Wozniac faziam parte, era um dos mais ativos. Fica subentendido que os seus membros mais ricos dividiam suas máquinas com os outros e que ninguém tinha segredos para ninguém. As reuniões do clube eram no auditório do acelerador linear de Satanford. Este ra o lugar para fazer com que os outros admirassem ou criticassem suas últimas realizações. Trocavam-se e vendiam-se componentes, programas, idéias de todos os tipos. Assim que eram construídos, logo após emitidos, objetos e conceitos eram retomados, transformados pelos agentes febris de um coletivo denso, e os resultados destas transformações, por sua vez, eram reinterpretados e reempregados ao longo de um ciclo, deste turbilhão de coisas, pessoas, idéias e paixões que saiu o computador pessoal. Não o objeto definido simplesmente por seu tamanho, não o pequeno computador de que os militares já dispunham há muito tempo, mas sim o complexo de circuitos eletrônicos e de utopia social que era o computador pessoal no fim dos anos setenta: a potência de cálculo arrancada do Estado, do exército, dos monstros burocráticos que são as grandes empresas e restituída, em fim, aos indivíduos.” (LÉVY, Pierre. “As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática” Rio de Janeiro: Editora 34, 1993, p. 43 - 45)

Depois, talvez seja interessante escanerizar, ver o que Lévy escreve a respeito da informática nas páginas 45 à 50.
“Elas tiveram uma recepção muito fraca na época entre os construtores e vendedores de computadores. A informática ainda era tida como uma arte de automatizar cálculos, e não como tecnologia intelectual.” (LÉVY, Pierre. “As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática” Rio de Janeiro: Editora 34, 1993, p. 51)

“Vale a pena repetir que a maior parte dos programas atuais desempenha um papel de tecnologia intelectual: eles reorganizam, de uma forma u de outra a visão de mundo de seus usuários e modificam seus reflexos metais. As redes informáticas modificam os circuitos de comunicação e de decisão nas organizações. Na medida em que a informática avança, certas funções são eliminadas, novas habilidades aparecem, a ecologia cognitiva se transforma. O que equivale a dizer que engenheiros do conhecimento e promotores da evolução sociotécnica das organizações serão tão necessários quanto especialistas em máquinas.” (LÉVY, Pierre. “As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática” Rio de Janeiro: Editora 34, 1993, p. 54)

“Muitas vezes ouvimos dizer que a técnica em si mesma não é nem boa nem má, e que tudo o que conta é o uso que fazemos dela. Ora, ao repetir isso, não nos apercebemos que um circuito impresso já é um ‘uso’; o uso de uma matéria – prima (o silicone), de diversos princípios lógicos, dos processos industriais disponíveis, etc. Um determinado computador cristaliza algumas escolhas entre os usos possíveis de seus componentes, cada um deles sendo, por sua vez, a conclusão de uma longa cadeia de decisões. Um programa resulta de uma utilização específica de um computador e de uma linguagem de programação. O programa, por sua vez, será usado de uma forma particular, e assim por diante. Esta análise pode ser repetida para todas as escalas de observação, e ao longo de todas as linhas da grande rede sociotécnica, para cima, para baixo, seguindo inúmeras conexões laterais e rizomáticas, sem que jamais achemos um objeto em estado bruto, um fato inicial ou final que já não seja um uso, uma interpretação. O uso do ‘usuário final’, ou seja, do sujeito que consideramos em determinado instante, não faz nada além de continuar uma cadeia de usos que pré-restringe o dele, condiciona-o sem contudo determina-lo completamente. Não há, portanto, a técnica de um lado e o uso de outro, mas um único hipertexto, uma imensa rede flutuante e complicada de usos, e a técnica consiste exatamente nisto.”
(LÉVY, Pierre. “As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática” Rio de Janeiro: Editora 34, 1993, p. 59)

[1] O termo bricolagem, que vem do francês "bricolage", é usado nas atividades em que você mesmo realiza para seu próprio uso ou consumo, evitando deste modo, o emprego de um serviço profissional. O conceito surgiu nos Estados Unidos, na década de 50, com a sugestão "do it yourself"- faça você mesmo, isso ocorreu devido ao encarecimento da mão-de-obra e se desenvolveu com a grande visão dos empresários em perceber este nicho: criando produtos fáceis de serem usados, utilizando embalagens com pouca quantidade e todos com manuais explicativos. No Brasil não foi diferente, o alto custo da mão-de-obra especializada, principalmente nos grupos de baixa renda, somado com a crise financeira, forçou o brasileiro a construir e a reformar a sua casa, ele mesmo ou na forma de mutirão; já as classes A e B, além das pequenas reformas, elas realizam pinturas especiais como pátina, decapê, texturização de paredes, confecção e manutenção de móveis, e jardinagem. Mas não paramos por aí, consertos de eletrodomésticos, instalação de antenas, artesanato e, mais recentemente, a prática de decoração, tudo isso é bricolagem. Acompanhando esta evolução, as empresas de varejo estão treinando seus profissionais para darem orientação técnica como: qual a bitola de fio mais adequada para um chuveiro, que tratamento deve receber a parede antes de ser pintada, a broca mais indicada para furar ardósia e, enfim, o seu manuseio correto.
posted by Donarte N. dos Santos Jr. @ sexta-feira, dezembro 30, 2005  
0 Comments:
Postar um comentário
<< Home
 



Argo:Nave dos Argonautas,construída sob a direção de Minerva, nos bosques de Dodona. O termo significa ‘rápido.’”

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso". Quero para mim o espírito [d]esta frase, transformada a forma para a casar como eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo. Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha. Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade. É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça. (Fernando Pessoa)


Jornais & Notícias
::::::::::::::::::::::::::::::::

Deixe recado (educado) ;-) ...
::::::::::::::::::::::::::::::::


Busca na Web
::::::::::::::::::::::::::::::::
E-Mails
::::::::::::::::::::::::::::::::

Blogger, Grupos & Sites de Relacionamento
::::::::::::::::::::::::::::::::

Previsão do Tempo
::::::::::::::::::::::::::::::::
INPE




(Bastante confiável, a previsão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/INPE.)

INMET




(Excelente órgão nacional de previsão de tempo – Instituto Nacional de Meteorologia/INMET.)

The Weather Channel (Canal do Tempo)


(Da "The Weather Channel Interactive, Inc.", também denominada "The Weather Channel" ou "TWC", trata-se de uma empresa norte-americana localizada em Atlanta, na Georgia. Desde 1982 a TWC presta serviços de informações meteorológicas a várias partes do mundo.)

METSUL




(A METSUL Meteorologia é, hoje, um dos principais geradores de conteúdo de informação meteorológica do Conesul e pertence a da Rede de Climatologia Urbana de São Leopoldo.)

::::::::::::::::::::::::::::::::
Pensamentos mais ou menos fixos que tenho:
::::::::::::::::::::::::::::::::
Ódio a Nietzsche

- Gosto muito de usar o Nietzsche contra ele mesmo: Nietzsche X Nietzsche, pois o que ele escreve é tão contraditório (no mal sentido do termo), que isso é bem possível de ser feito...

Aos céticos...

- “Só se poderia negar a validez à demonstração se se provasse, com absoluta validez, que o homem nada pode provar com absoluta validez” (SANTOS, Mário Ferreira dos. Filosofia Concreta. São Paulo: É Realizações, 2009, p. 61).

 

 
Este é o Blog/Site do prof. Donarte: Geografia, Filosofia, Educação, Ciências, opinião pessoal e vida cotidiana.

Posts

Leia as postagens deste blog
Site

Visite o site do professor
O que o professor lê?

Últimas leituras
Conteúdos Especiais

Textos sobre Geografia física.

Textos sobre Geografia humana.

Dicas sobre o Vestibular.
Links Filosóficos

Natureza em Hegel.



Sociedade Hegel Brasileira.
Blogs dos Estudantes do Colégio Marista Assunção (2010)

Blog dos alunos do 2º ano (221).

Blog dos alunos do 2º ano (221).
Blogs dos Estudantes do Colégio Marista Assunção (2008/2009)

Blog dos alunos do 5ª série (152).

Blog dos alunos do 8ª série (181).

Blog dos alunos do 8ª série (182).

Blog dos alunos do 1º Ano (211).

Blog dos alunos do 1º Ano (212).

Blog dos alunos do 2º Ano (221).

Blog dos alunos do 3º Ano (231).
Blogs dos Estudantes da Escola Maria Goretti (2006)

Blog dos alunos do1º Ano.

Blog dos alunos do2º Ano.

Blog dos alunos do3º Ano.
Blogs dos Estudantes da Escola Maria Goretti (2005)

Blog dos alunos do3º Ano.
Imagens Geográficas

Blogs que acompanho

  • Prof. Dr. phil. Eduardo Luft.


  • Prof. Pedro Demo (blog novo)


  • Prof. Pedro Demo (blog antigo)


  • Prof. Dr. phil. Ricardo Timm de Souza.
  • Links

  • Água Bio
  • Água on-line
  • Águas, Brasil das
  • Águas, Rede das
  • ANA
  • Água, Universidade da (1:?)
  • Água, Universidade da (2:o.k.)
  • Astronomia (Zênite)
  • BBC-Brasil
  • C & T Jovem (Ministério da Ciência e Tecnologia)
  • Café Orbital-ON
  • (a revista parece ter encerrado suas atividades)
  • Canal Ciência
  • CAPES
  • Chaos Nonlinear Dynamics
  • Chaos on the Web
  • Comunidade ARS DEI
  • Defesa Civil RS 199
  • Edge-The Third Culture
  • EFE-Agência de Notícias (Brasil)
  • Embrapa
  • Expedição Trópico de Capricórnio
  • Fractal Geometry
  • Fepam
  • Geoprocessamento-PUCRS
  • Google News
  • IBGE
  • IBGE (IBGE - Cidades@)
  • Meio Ambiente on line
  • Ministério do Meio Ambiente
  • Museu de Ciências e Tecnologia-MCT
  • National Gographic (Brasil)
  • Observatório Nacional-ON
  • Organização dos Estados Americanos (OAS)
  • ON-Serviço de Hora (acerte seu relógio)
  • Porto Imagem (Porto Alegre)
  • Profissão Mestre (revista dedicada à carreira do professor)
  • Programa Antártico Brasileiro-PROANTAR
  • PUCRS
  • PUCRS (renove livros (BIBLIOTECA-PUCRS))
  • Rep. Fed. do Brasil (oficial)
  • Revista Galileu
  • Scientific American-Brasil
  • Scientific Eletronic Library Online (SciELO)
  • Subaru Telescope
  • The Independent
  • UNESCO-Brasil
  • Universidade da California (Condensed Matter Physics)
  • World Atlas Geography
  • Textos Recentes

    Textos Antigos

    O Autor

    Nome:
    Donarte N. dos Santos Junior
    Residente em:
    Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
    Formação:
    - É Licenciado em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
    - É Especialista no Ensino de Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
    - É Mestre em Educação em Ciências e Matemática (PUCRS).
    - É Mestrando em Filosofia (PUCRS).
    Atuação Profissional:
    - Foi Técnico em Geoproce ssamento do L/li/liaboratório de Tratamento de Imagem e Geoprocessamento (LTIG) da PUCRS.
    - É Professor da Prefeitura Municipal de Porto ALegre.
    Título da primeira dissertação de mestrado:
    “Geografia do espaço percebido: uma educação subjetiva”, que alcançou grau máximo obtendo nota 10,0.

    Clique aqui para ler a dissertação

    Clique aqui para Ver currículo Lattes completo

    Mais sobre o autor
    E-Mail para o Autor
    Livro de Visitas
    Número de Visitantes

    Free Blogger Templates

    BLOGGER

    Free Blogger Templates